terça-feira, 3 de abril de 2012

Linha da Mentira

Admito que quero matar o tempo, mas sinto medo de ir até ela. Medo de ficar no chão; só que eu já estou, e quero expulsar as tristezas das notícias ruins que recebo.

O dia está acabando e eu confesso que sinto vontade de fugir. Tenho mais nada para dizer, só que eu quero continuar. Sei que para ela não há recuperação, que ela é sempre sincera, que ela nunca mente. Nunca mente.

E sinto saudade, sinto falta.

Nenhum comentário: