quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Mil Novecentos Setenta e Um

Eu não tinha nada, mas eu tinha tudo. Não é difícil explicar.

Muito dos que estão aqui, ainda que mereçam estar aqui, tinham casa, família e amigos. Não tinham dinheiro e por isso diziam que não tinham nada. Mas hoje, quando perderam as pessoas, continuam dizendo que não têm nada. A diferença é que dizem ter perdido tudo.

Comigo não é diferente.

- Pai, eu não preciso da sua ajuda. Eu sei o que posso fazer sozinho.

- Não seja arrogante. Todas as vezes que você precisou de alguém, foi eu ou sua mãe que lhe acudiu.

- Certo, mas eu que pedi a ajuda. Jamais fui orgulhoso o suficiente para recusar a necessidade da ajuda.

- Você não sabe tudo e eu sei mais que você. Estou dizendo: é muito cedo para você guiar um carro na estrada.

- Já não sou mais criança!

- E também não é um homem completo, ainda.

Nenhum comentário: