sábado, 14 de janeiro de 2012

Sobre a Perda


Perda, como uma pedra
Arremessada em um ninho
Arrebenta meu caminho

Perda, que me atinge na curva
Me acerta em cheio, me remove
Me remói de culpa
Umedece meus olhos, me comove

Perda, das infernais
O carrasco espreita pela fresta
Saca o revólver, me remove
Com um tiro seco na testa

Perda, por não ter
O que se desejava ter
Como se pode perder
O que não se pode ter?

Nenhum comentário: