quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Musa Doente

Ah, minha pobre musa
O que você tem?
Seus olhos ocos
São visões noturnas
E sua pele reflete horror
E loucura
São sombras tristes.

Sobre você, um duende rosado
Derramou amor e medo
Sobre o seu túmulo
O seu pesadelo
Tirano, a afogou
No fundo de Minturnas.

Quis que, exalando o aroma da saúde
Fosse o seu seio força e juventude
Que o seu sangue fluísse
Lentamente.

Nenhum comentário: