sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Tiro

O deserto fica para trás
Com toda a ignorância de uma população
A guerra estoura no ar
Ei madame! Mais cinco minutos no salão
A dona sai ao mundo escovada
Uma bala de fuzil na cabeça da caçada

Dê-me um beijo, princesa
Um beijo de despedida
Um beijo de boa noite, sozinha, despida
Aproveite: os monstros ceiam.

Lembro da agonia do cambaleio
Guerra: sou uma estátua
Mãe: "Por seres filhos, não és feio".
Imagens: ainda medo de tarântula
Linda solidão naquele dia

Explodi minha cabeça com pólvora
E ela flutua agora
E meus dedos puxam o gatilho
A cada segundo de hora
Leões saltam os demônios.

Nenhum comentário: