terça-feira, 2 de agosto de 2011

Introdução ao Livro Inexistente


A minha história terá dois personagens centrais. Ainda não defini os nomes, mas o primeiro é um cara que se droga e tem alucinações reais. Seres discursam para ele e, ouvindo esses discursos, ele compreende cada vez mais o Universo. Graças a essa compreensão, essa descoberta, que ele se defronta com o pecado:  ter seu próprio Universo, com habitantes. Assim ele se torna um caçador. Busca sempre as mais belas almas para habitar o seu mundo.

É um homem totalmente louco. Envolvente e misterioso. Possui conflitos e problemas. Conciliará o mundo dos homens e o seu mundo particular no intuito de fortalecer o seu.

O segundo personagem central é um homem que, na adolescência, era escritor; fracassado, é verdade.  Largou a carreira para seguir outra: a de advogado. Apaixonou-se por uma bailarina que pintava nas horas vagas. Os dois se casaram e viveram os seus melhores momentos; até ela morrer assassinada. É o seu segundo fracasso. Sua segunda paixão que o golpeia e o abandona; embora seus amores sempre forem ausentes de culpa. O cara está desnorteado, pensa em morte. Vingança ou suicídio; vingança e suicídio.

É claro que as histórias dos dois se relacionam. Eu não quero vilão e mocinho; quero dois homens com os seus motivos. Cada um com seus medos e suas vontades. O escritor e o louco. A busca e a ação.

Acho que tive uma boa ideia; vou conseguir abrir espaço para colocar as ideias dos Mestres que admiro; e manterei a partir disto. Nunca tive uma ideia tão sólida para uma história.

Nenhum comentário: