quarta-feira, 27 de julho de 2011

Paraíso aos seus Braços

Quando o sol se esconde atrás das pedras
Os meus sonhos vagos começam a fluir
Quando os raios estrelares cortam o céu como flechas
Eu sinto que está na minha hora de ir

Quando escondo o meu rosto nos seus seios
Quando eu sinto o seu sabor divino
Sei que sei onde passeio
Pois conheço as uvas do meu vinho

Me tornei príncipe ao ser tocado por uma princesa
Me tornei deus ao ser tocado por uma deusa

Furacões devastam a minha cabeça todos os dias
Sou alérgico à poeira do agonia
Tudo muda quando estou de frente da minha rainha

Eu nunca serei mais um
Eu nunca serei comum
A achei no final do deserto amarelo
Deixei com a poeira amarela todo o resto

Dê-me suas mãos quando eu estiver cansado
Quando eu lhe servir, não cruze os braços
Anjos do céu: abram caminhos
Subirei ao paraíso
Mas não irei sozinho

Nenhum comentário: