quinta-feira, 3 de março de 2011

Anestesista


O prazo dos prazeres
É definido pelo par
No meio dos seus afazeres
Não há tempo para amar

O odor da minha cor
Anestesia a sua dor
Eu corrompo o seu ódio
Quando lhe entrego o meu ócio

Não há nenhuma premissa
Escondida na minha língua
A não ser a minha vontade
De queimar a sua fadiga

Enquanto você insiste
Eu mantenho o meu convite
Anestesio a sua dor
Com o odor da minha cor
Por que eu corrompo o seu ódio
Quando lhe entrego o meu ócio

O prazo dos prazeres
É definido pelo par
No meio dos seus afazeres
Não há tempo para amar

Nenhum comentário: