terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Ruptura


Com essa ruptura acelerada
Não se esqueça do curativo
Antes de dar a primeira engatada
Que inferniza os sentidos

Marcas são honras quando rasas
Já que a funda ninguém vê
O que ninguém vê não é nada
O que mostra é o que se crê

Então não sou o que sou
Por que abomino o que sou
O que você quer ser
Mostra para todo mundo ver

Ou você achou que era verdade
A conversa fiada sobre sinceridade
Para e pensa um só instante
Quem disse que o superficial não é importante?

Nenhum comentário: