domingo, 6 de fevereiro de 2011

Mel


Esqueça os ensinamentos que tomaram conta do seu instinto. O ser humano é o prefixo de uma ação que você mesmo toma. Há tanta bobagem espalhada que me esqueço daquilo que de fato acredito. São tantas ideias transgênicas se apossando, que vejo homens tornando câncer de si mesmo.

Neste mundo de carecas nunca há espaço para a verdade. Se me desse a oportunidade de ditar, eu colocaria as unidades esparsas em caixas de sapato e as jogaria no mar. Não posso ser o único a sentir dor e perceber que são todos abelhas criando uma mesma colmeia.

“O mel é um doce que gruda nos pelos do peito. Então enfie mutações leprosas em todos, para o mundo evoluir doente, e o mel ser um lubrificante da vida.”

Até quando pensará no sabor do seu corpo? Até quando será hermafrodita da própria carne? Não cansa, ou não percebe?

Nenhum comentário: