terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Sonhos de Sempre


Partirá para casa e deitará na cama sem imaginar que amanhã um dia espera por você. Não foi por querer, mas por descuido, que nunca mais houve uma brincadeira sincera com um velho amigo. Nem mesmo uma partida descompromissada de xadrez.

Não é de propósito, camarada. Eu sei. Se fosse o minuto derradeiro, saberíamos que faríamos tudo o que não fizemos na vida; se houvesse mais um minuto. Os dias voam ignorando o desperdício. Lembrei ontem de uma irmã e senti saudade do seu sorriso. Poderia ter dito quão bela é a alegria que ela tinha em viver.

Quando penso em todos os amigos que tive, noto tantas palavras que eu deveria ter dito; mas que por alguma razão inconsciente, eu apenas não disse.

Nenhum comentário: