quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Mobília à Beira Mar


Um, dois, três e já! Certo, devagar.

Que quando ouve os gritos da água desaguando no mar da metrópole, não se imagina que se invada a invasão dos verdadeiros detentores. Complicado? Complicado. Basta contar com calma. Três vezes.

Quando não entender, peça ajuda.

Mas para ajudar o que? Aliás, para ajudar quem? Nós já nos dedicamos à mesa; isto é, à mesma mesa.

O bailarino contou um causo; sem ninguém desconfiar da sua orientação. Eu conto o segredo e vocês espalham, pode ser?

Estou pesado; quebrei uma cadeira na cabeça do meu avô. Não gosto muito de mobílias, entende?

Que fadiga eu sinto hoje. A praia tem cheiro de combustão.

Nenhum comentário: