sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Gladiador Mesquinho


Volte para debaixo da cama enquanto mantenho a ordem aqui do lado de fora. Sossego custa caro no atacado. A moeda de pagamento é vermelha. Um desejo consome o outro. Vê se visualiza a lógica da encomenda agora.

Quando eu era como você, também pensava como você. Mas o que conclui é que não se muda conclusões; muito menos princípios. Terminologias eu prefiro que fiquem expressas nas paredes de dentro dos armários. Não que eu seja contra elas.

É que argumentos são feridos com argumentos. E argumentos se perdem com o vento. O que fica é o que é, ou que o sobra. Então fique aí debaixo da cama enquanto eu faço o necessário para o necessário.

Nunca houve muita diversão mesmo; apenas uns joguinhos onde a graça é vencer. Enquanto houver condutas desse gênero, serei o tecido da cortina; pois só assim que se vê a dama a nua. É o que importa.

Mas por mesquinho que sou, eu ainda digo: prefiro as marionetes, acima de tudo.

Nenhum comentário: